Seminário discute metodologia ativa no processo de ensino e aprendizagem

A sala de aula invertida é uma forma de unir o ensino a distância e o ensino presencial, além de ser uma porta de entrada para a utilização da tecnologia na educação. Esqueça a aula que começa com “o que nós vamos aprender hoje”. Na “sala de aula invertida”. O professor primeiro diz algo do tipo “o que vocês aprenderam em Casa?”. Como o próprio nome diz, consiste em inverter a ordem de estudos: o primeiro contato com o conteúdo é feito em casa, antes da escola. As práticas de Sala de Aula Invertida são um exemplo claro de como o diálogo entre a inovação e o tradicional pode acontecer de forma simples e harmônica. Par debater o assunto o INSA-Cambé realizou no último dia 23/06 um seminário justamente para entender a abordagem educacional que se fundamenta na participação do estudante e no uso de sua inteligência ativa e questionadora. O seminário reuniu os docentes do Ensino Fundamental Anos Finais e Ensino Médio em uma exposição do estudo feito do Livro: “Sala de aula invertida - como contribuição para o processo de ensino e aprendizagem” dos autores Jonathan Bergmann e Aaron Sams. Segundo Ir. Maria Alzira diretora da escola “o que se vê hoje é um cenário que coloca práticas inovadoras em contraposição direta com modelos que, de alguma maneira, já fazem parte do cotidiano dos professores em sala de aula. Mas é ainda insuficiente a reflexão sobre como as práticas já utilizadas podem dialogar com estratégias inovadoras a fim de garantir uma participação mais ativa dos estudantes e uma aprendizagem mais efetiva.Além disso, a sala de aula invertida valoriza o papel do professor, como articulador e orientador dos percursos de pesquisa e mediador entre estudantes e conhecimentos. E pode ajudar a desenvolver competências como capacidade de autogestão, responsabilidade, autonomia, disposição para trabalhar em equipe.” Equipe Pedagógica

  Galeria de Fotos (clique sobre as fotos para aumentá-las):