O Colégio

A nossa escola faz parte de uma amplo movimento de educação, iniciado por João Bosco, - sacerdote italiano do século XIX (1815 – 1888) De D. Bosco herdamos o estilo e a finalidade da educação que realizamos, os quais encontram-se sintetizados no Sistema Preventivo ou Pedagogia do Amor.

O estilo, inicialmente em conjunto de práticas e princípios, foi repassado pelo fundador aos seus colaboradores, através da convivência. A finalidade foi sintetizada numa máxima concisa e clara: “formar bons cristãos e honestos cidadãos.”

Em 28 de dezembro de 1953, teve início, ao sul da cidade de Cambé, a trajetória de uma escola que seria, em pouco tempo, um marco na história de Cambé. Superando as dificuldades iniciais, hoje é visível suas transformações: ótimo espaço físico, excelente equipe de professores, boa estrutura administrativa fazem do Colégio Auxiliadora uma escola compromissada com uma educação séria, qualificada e preocupada em atender às necessidades de seus alunos e da comunidade.

As salesianas chegaram a esta cidade no dia 28 de dezembro de 1953. Foram solicitadas para o trabalho de educação da juventude pelo Revmo Pe. Symphoriano Kopf, pároco da Paróquia Santo Antonio de Cambé que havia conseguido da Companhia de Terras Norte do Paraná a doação de um terreno sobre o qual construiu o Colégio, que as irmãs passaram a habitar e onde acolheram as primeiras alunas.

Mazzarello

Maria Fomingas Mazzarello. Foi em Mornese, situada no norte da Itália, na região de Monferrato, que no dia 9 de maio de 1837 nasceu Maria Domingas Mazzarello.

Mornese: terra forte e árida, aberta ao sol e ao vento, onde se cultivava o trigo, e os vinhedos se alternavam com pinheiros e pequenos bosques, habitada por famílias profundamente cristãs, apegadas às tradições que formavam, sobretudo, personalidades robustas na fé, na honestidade, no trabalho, na prática da caridade.

Mazzarello cresceu neste ambiente humilde, simples, harmonioso; ambiente típico de gente camponesa, amante da terra, das próprias tradições; de gente sem pretensões, a não ser a de viver do próprio trabalho.

Camponesa, de excelente formação cristã, Mazzarello vê o rumo de sua vida mudar quando é vitimada pelo tifo. Não podendo mais trabalhar no campo, decide aprender a costurar para fazer o bem às jovens da sua pequena cidade. Com suas amigas, monta uma sala de costura e começa a ensinar às meninas o oficio.

Quando Dom Bosco passa por Mornese, se empolga com o trabalho de Maria Mazzarello e propõe a ela a fundação de um instituto feminino com o mesmo objetivo dos salesianos.

Mazzarello antevê a concretização de um sonho: fazer pelas meninas o que João Bosco vinha fazendo pelos meninos. Em 5 de agosto de 1872, em Mornese, 15 jovens, entre elas Maria Mazzarello, consagram-se a Deus para serem, como Maria, auxiliadoras entre as jovens, sobretudo, as mais necessitadas.

Graças a Mazzarello, foi assegurado o futuro glorioso da Congregação que Dom Bosco quis fundar como um monumento vivo de sua gratidão a Virgem Auxiliadora.